Distúrbios de Aprendizagem-Dislexia

Dislexia é um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração. 

Do grego: dus → difícil, dificuldade; lexis → palavra.

A dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países mostram que cerca de 10 a 15% da população mundial é disléxica.

Entender como aprendemos e o porquê de muitas pessoas inteligentes e, até, geniais experimentarem dificuldades paralelas em seu caminho diferencial do aprendizado, é desafio que a Ciência vem deslindando paulatinamente, em130 anos de pesquisas. E com o avanço tecnológico de nossos dias, com destaque ao apoio da técnica de ressonância magnética funcional, as conquistas dos últimos dez anos têm trazido respostas significativas sobre o que é Dislexia.

Ao contrário do que muitos pensam, a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição sócio-econômica ou baixa inteligência.

Ela tem sido vista como uma condição hereditária devido a alterações genéticas, mas tal só acontece numa pequena percentagem de casos. Ela também é caracterizada por apresentar alterações no padrão neurológico. Não trata de uma doença, mas de uma dificuldade de aprendizagem que trabalhando pode melhorar. Este distúrbio não impede o sujeito de se desenvolver intelectualmente

Por esses múltiplos fatores é que a dislexia deve ser diagnosticada por uma equipe multidisciplinar. Esse tipo de avaliação dá condições de um acompanhamento mais efetivo das dificuldades após o diagnóstico, direcionando-o às particularidades de cada indivíduo, levando a resultados mais concretos.

Haverá sempre:

 dificuldades com a linguagem e escrita ;

 dificuldades em escrever;

 dificuldades com a ortografia;

 lentidão na aprendizagem da leitura.

Haverá muitas vezes, em comorbidade:
  • disgrafia (letra feia);
  • discalculia, dificuldade com a matemática, sobretudo na assimilação de símbolos e de decorar tabuada;
  • dificuldades com a memória de curto prazo e com a organização;
  • dificuldades em seguir indicações de caminhos e em executar seqüências de tarefas complexas;
  • dificuldades para compreender textos escritos;
  • dificuldades em aprender uma segunda língua.
Haverá às vezes:
  • dificuldades com a linguagem falada;
  • dificuldade com a percepção espacial;
  • confusão entre direita e esquerda

Dislexia é causa ainda ignorada de evasão escolar em nosso país, e uma das causas do chamado “analfabetismo funcional” que, por permanecer envolta no desconhecimento, na desinformação ou na informação imprecisa, não é considerada como desencadeante de insucessos no aprendizado.

Hoje, os mais abrangentes e sérios estudos a respeito desse assunto, registram 20% da população americana como disléxica, com a observação adicional: “existem muitos disléxicos não diagnosticados em nosso país”. Para sublinhar, de cada 10 alunos em sala de aula, dois são disléxicos, com algum grau significativo de dificuldades. Graus leves, embora importantes, não costumam sequer ser considerados.

Dislexia, antes de qualquer definição, é um jeito de ser e de aprender; reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes arguta e até genial, mas que aprende de maneira diferente.

Sinais e sintomas

Na primeira infância:

1 – atraso no desenvolvimento motor desde a fase do engatinhar, sentar e andar;

2 – atraso ou deficiência na aquisição da fala, desde o balbucio à pronúncia de palavras;

3 – parece difícil para essa criança entender o que está ouvindo;

4 – distúrbios do sono;

5 – enurese noturna (xixi na cama);

6 – suscetibilidade à alergias e à infecções;

7 – tendência à hiper ou a hipoatividade motora;

8 – chora muito e parece inquieta ou agitada com muita freqüência;

9 – dificuldades para aprender a andar de triciclo;

10 – dificuldades de adaptação nos primeiros anos escolares.

A partir dos sete anos de idade:

1 – pode ser extremamente lento ao fazer seus deveres, ou ao contrário, seus deveres podem ser feitos rapidamente e com muitos erros;

2 – copia com letra bonita, mas tem pobre compreensão do texto ou não lê o que escreve;

3 – a fluência em leitura é inadequada para a idade;

5 – inventa, acrescenta ou omite palavras ao ler e ao escrever;

6 – só faz leitura silenciosa; ou ao contrário, só entende o que lê, quando lê em voz alta para poder ouvir o som da palavra;

8 – sua letra pode ser mal grafada e, até, ininteligível; pode borrar ou ligar as palavras entre si;

9 – pode omitir, acrescentar, trocar ou inverter a ordem e direção de letras e sílabas;

10 – esquece aquilo que aprendera muito bem, em poucas horas, dias ou semanas;

11 – é mais fácil, ou só é capaz de bem transmitir o que sabe através de exames orais;

12 – ao contrário, pode ser mais fácil escrever o que sabe do que falar aquilo que sabe;

13 – tem grande imaginação e criatividade;

14 – desliga-se facilmente, entrando “no mundo da lua”;

15 – tem dor de barriga na hora de ir para a escola e pode ter febre alta em dias de prova;

16 – porque se liga em tudo, não consegue concentrar a atenção em um só estímulo;

17 – baixa auto-imagem e auto-estima; não gosta de ir para a escola;

18 – esquiva-se de ler, especialmente em voz alta;

19 – perde-se facilmente no espaço e no tempo; sempre perde e esquece seus pertences;

20 – tem mudanças bruscas de humor;

… entre outros.

Crianças disléxicas apresentam combinações de sintomas, em intensidade de níveis que variam entre o sutil ao severo, de modo absolutamente pessoal.

Em algumas delas há um número maior de sintomas e sinais; em outras, são observadas somente algumas características. Quando sinais só aparecem enquanto a criança é pequena, ou se alguns desses sintomas somente se mostram algumas vezes, isto não significa que possam estar associados à Dislexia. Inclusive, há crianças que só conquistam uma maturação neurológica mais lentamente e que, por isto, somente têm um quadro mais satisfatório de evolução, também em seu processo pessoal de aprendizado, mais tardiamente do que a média de crianças de sua idade.

Fonte: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgyyAAB/disturbios-aprendizagem

Indicação de Leitura: Psicopedagogia/Psicologia/Psiquiatria/Fonoaudiologia e demais áreas da educação e saúde da mente.


Sugestões de links com atividades para Dislexia:

Atividades para alunos com dislexia

4 atividades para crianças com dislexia

14 atividades práticas para alunos com dislexia

Atividades para Alunos com Dislexia

Leia também:Como desenvolver um Laudo Psicopedagógico e (ou) Neuropsicopedagógico?

Veja ainda: Registro de Observações das Provas Piagetianas

4 comentários em “Distúrbios de Aprendizagem-Dislexia

    • 16 de outubro de 2018 em 15:10
      Permalink

      Olá Denise, agradecemos o carinho. Abraços…

      Resposta
  • 1 de agosto de 2019 em 19:14
    Permalink

    Adorei, que bom,foi bem clara.
    Parabéns,obg

    Resposta
    • 2 de agosto de 2019 em 09:21
      Permalink

      Olá Sidna, que bom que a senhora gostou da postagem, fazemos tudo com o máximo de carinho e dedicação para contribuir de alguma forma com os profissionais da área bem como clientes e leitores. Continue nos visitando, toda semana temos novidades. Abraços carinhos de toda equipe PsiquEasy.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Chamar no WhatsApp