fbpx

Como fazer um Informe Psicopedagógico?

Aprenda agora fazer um Informe Psicopedagógico.

Ao final do diagnóstico, o psicopedagogo já deve ter formado uma visão global do indivíduo sua contextualização na família, na escola e no meio social em que vive, é chegada a hora do Informe. Deve ter uma compreensão de seu Modelo de Aprendizagem, o que já aprendeu o que pode aprender o que aprende no ponto de vista afetivo social, que recursos possui, se os mobiliza ou não, que tomam seus interesses na busca do conhecimento.

  • O resguardo ético do indivíduo e de sua família deve merecer atenção.
  • O laudo ou informe tem como finalidade resumir as conclusões a que se chegou na busca de respostas às
  • perguntas iniciais que motivaram o diagnóstico.
  • Utilizar um pequeno roteiro, que sofre modificações necessárias, conforme o caso em questão.
  • É apenas um guia, e não um formulário a ser preenchido.
  • Essa síntese, em sua redação, independe da sequência em que foram coletados os dados.
Motivação da Avaliação – Encaminhamento

É necessário se relatar a queixa na visão da família e da escola, quando for o caso. Caracterizar o encaminhamento feito para um diagnóstico psicopedagógico pela escola, pediatra, neurologista, psicólogo e outros.

Período de Avaliação e número de Sessões

Ao definir o período de avaliação, delimitasse a época do ano letivo em que foi feita, a sua extensão, as interrupções ocorridas e suas causas.

Informe – Instrumentos Utilizados 
  • Relata-­se o tipo de sessão usada (lúdica, familiar, EOCA, dramatização, etc.), os diferentes testes e seus objetivos, bem como as diferentes entrevistas.

Analisar os Resultados nas Diferentes Áreas

  • ­ Pedagógica;
  • ­ Cognitiva;
  • ­ Afetivo ­social;
  • ­ Corporal.

Procura-­se fazer um relato descritivo de cada área, podendo incluir ou não resultados de teste, trechos, e exemplos de produção do paciente, transcrição de fala, etc. a profundidade dos detalhes colocados dependerá do objetivo do laudo.

  • Na área pedagógica é, importante dar-­se do nível pedagógico do indivíduo de forma global e da especificidade nos diferentes campos, como, por exemplo, leitura, escrita e cálculo.
  • Na área cognitiva, situa-­se o nível da estrutura do pensamento, suas defasagens, seu funcionamento, sua mobilidade predominante (mais assimilativo, hiperacomodativo, etc.).
Acrescenta-se o observado sobre a capacidade de antecipação.

No item da área afetivo-social, além dos dados pessoais no nível emocional e relacional, e o significado do sintoma para o indivíduo e para a família, o nível de reação da escola e informações sobre a estrutura familiar.

  • ­ Estrutura familiar: irmãos, posição entre eles, situação dos pais (vivos, falecidos, separados, etc.), com quem vive o indivíduo.
  • ­ Dinâmica familiar: relação   entre seus membros, papéis    exercidos, comunicação familiar do indivíduo e do paciente.

Por exemplo:

  • Pais analfabetos valorizam a aprendizagem como meio de ascensão social, estimulando sempre o trabalho escolar de X, impedindo­o de faltar às aulas;
  • Pais analfabetos, conformados com  a situação em  que vivem, consideram o filho “burro que nem nós”, sem nenhuma valorização à escola;
  • Pais de nível universitário, altamente  exigentes  quanto  a  produção  escolar de X, realizam cobrança de modo muito rígido, deixando X muito  ansioso  nas provas.
  • Na  área  corporal é,  importante  situar  o  uso  do  corpo  em  situações  diversas, aspectos de normalidade, aspectos de psicomotricidade, etc.
Síntese dos Resultados – Hipótese Diagnóstica

É a resposta mais direta a questão inicial levada pela queixa. Faz-­se uma síntese do que foi analisado no item anterior, estabelecendo-­se as relações entre diferentes áreas em relação ao motivo da avaliação. Esse item é uma reelaboração dos dados e suas interligações, de modo a ter uma visão global do paciente ante a questão da aprendizagem e/ou produção escolar.

Informe o Prognóstico
  • Relata-­se a hipótese final sobre o estado futuro do indivíduo em relação ao momento do diagnóstico.
  • É uma visão condicional, baseada no que pode acontecer a partir das recomendações e indicações.
  • Se necessário pode-se fazer referência a indicadores, como, por exemplo, atitude altamente colaboradora, riqueza de expressão simbólica, bom nível intelectual, pedido de ajuda expressa nos testes projetivos, etc.
Recomendações e Indicações

Sintetizam-­se aqui as orientações dadas aos pais e à escola:

Troca de turma ou de escola, forma de posicionar o indivíduo em sala de aula, modo de lidar com ele em casa e na escola, reformulação de exigências, atribuição de responsabilidades, revelação de fatos, etc. as indicações de atendimentos a serem feitas, seja de psicopedagogia, fonoaudiologia, psicoterapia, etc.

Observações: Acréscimo de Dados Conforme casos Especiais. Exemplos:

  • ­ Alguns dados da história de vida;
  • ­ Postura do indivíduo durante a avaliação;
  • ­ Recorte de sessões ou testagem;
  • ­ Recorte da dinâmica familiar;
  • ­ Interferências durante o processo;
  • ­ Interrupções;
  • ­ Síntese do sistema escolar.
  • Análise mais detalhada do tipo de escola (metodologia, exigências, etc.).

Depois de tudo pronto, é chegada a hora de armazenar o informe, certamente informatizar é a forma correta de manter os documentos.

antes-depois-do-psiqueasy

Temos um post que mostra como informatizar seu espaço psicopedagógico: Vale a pena Informatizar o meu Atendimento Psicopedagógico?

E acesse também o site da PsiquEasy para informatizar de vez seus atendimentos.

7 comentários em “Como fazer um Informe Psicopedagógico?

  • 18 de abril de 2018 em 18:45
    Permalink

    O seu blog é muito bom! Parabéns… É maravilho os conhecimentos que aqui estou adquirindo, pra mim que ainda não estou atuando na aria estou tendo ótimas experiencias!Muito obrigada.

    Resposta
    • 19 de abril de 2018 em 15:09
      Permalink

      Olá Maria das Graças, que bom que esta gostando, fazemos tudo com muito carinho para nossos leitores e clientes. Toda semana preparamos algo novo, continue nos visitando. Beijos e Abraços…

      Resposta
    • 12 de setembro de 2018 em 09:03
      Permalink

      Disponha sempre que precisar. Abraços.

      Resposta
  • 20 de novembro de 2019 em 17:29
    Permalink

    Maravilhoso!! Parabéns pelo trabalho!

    Resposta
  • 12 de abril de 2021 em 19:25
    Permalink

    PARABÉNS PELO SEUS ESCLARECIMENTOS, FOI DE GRANDE VALIA PARA MINHAS PESQUISAS!

    Resposta
    • 13 de abril de 2021 em 17:01
      Permalink

      Olá Ecleia, tudo bem?

      Que bom saber que estamos ajudando de alguma forma, conte sempre conosco. É um prazer enorme poder ajudar. Abraços

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Chamar no WhatsApp