Quando o Psicopedagogo deve Encaminhar seus aprendentes/pacientes?

Mas o que é Encaminhamento?

O dicionário Aurélio apresenta algumas definições para a palavra que são:

1. ato de mostrar ou indicar o caminho;
2. ato de dirigir(-se) para determinado ponto;
3. ato de fazer seguir os trâmites estabelecidos;
4. figurado aconselhamento orientação.
psicopedagogia

No Atendimento Psicopedagógico por vezes é necessário encaminhar o paciente/aprendente para que outros especialistas possam realizar um diagnóstico preciso, visto que cada profissional tem a sua especialidade.

Qual é a especialidade do Psicopedagogo?

A especialidade desse profissional é a Aprendizagem. Tudo que se refere ou envolve questões relacionadas a aprender esta voltada para o mesmo.

Sua função é a Investigação do processo de aprendizagem do indivíduo visando sempre entender à origem da(s) dificuldade(s), transtorno(s) ou distúrbio(s) apresentado(s).

O acompanhamento psicopedagógico parte das questões investigadas no diagnóstico. Através de atividades variadas busca-se vencer os obstáculos que se impõem ao processo de aprendizagem para que o aprendiz possa retomá-lo com maior autonomia e sucesso.

Nesse período por vezes é necessário ENCAMINHAR, o paciente/aprendente para se obter algumas respostas para se realizar uma avaliação mais precisa do caso apresentado.

E quando saber o momento certo para fazer isso?

Ao receber um paciente/aprendente, recebemos também uma QUEIXA. Essa queixa refere-se a situações que estão causando de alguma maneira  problemas indesejáveis.

Nesse primeiro momento deve-se analisar a queixa para compreender o que se deve fazer. Geralmente após esse primeiro momento, o profissional no caso Psicopedagogo (Pp) ou Neuropsicopedagogo (NPp) deverá realizar a entrevista com o sujeito, a Anamnese com o responsável e realizar diversos testes e atividades para compreensão e confirmação da queixa apresentada.

O tempo de resposta.

Nem sempre é possível realizar todos os testes, visto que são encontrados problemas em relação a resposta do paciente/aprendente.

Algumas vezes os testes não são realizados com sucesso. Exemplo:

O pai apresenta seu filho de 6 anos com a seguinte queixa:

“Meu filho tem 6 anos e não consegue ler e compreender o que foi lido. Não fala e apresenta muitas dificuldades na escola.”

O que fazer em relação a essa queixa?

Cada Pp e NPp segue uma ordem de atendimento diferente a cada sessão. Por isso aqui não iremos descrever um passo a passo, pois varia muito de caso para caso.

Nesse exemplo acima, o Pp, realizou a Entrevista com o Sujeito, Anamnese com o responsável e visto o tipo de queixa fez alguns testes voltados para leitura, utilizou jogos lúdicos dentro das fases de desenvolvimento intelectual, porém não obteve exito.

A criança não respondeu bem a nenhum dos testes.

O que fazer nesse caso? Prosseguir? Desistir?

A resposta é ENCAMINHAR. Observe que no caso acima a criança que já deveria falar, identificar letras, compreender pequenos textos, não corresponde aos testes realizados. Na Anamnese o responsável descreveu que a criança também não corresponde nas atividades realizadas em casa voltadas para leitura e compreensão assim como também não fala.

Daí surge a dúvida: “Para quem devo ENCAMINHAR essa criança?”

Existem duas opções:

A primeira Fonoaudiologo.

A segunda Neuropediatra.

Inicialmente vamos encaminhar para o Fonoaudiólogo.

Por que?

O fonoaudiólogo é o profissional da área da saúde que trabalha com os diferentes aspectos da comunicação humana: linguagem oral e escrita, fala, voz, audição e funções responsáveis pela deglutição, respiração e mastigação.

Nos aspectos da Linguagem o Fono tem como objetivo: Prevenir, diagnosticar e tratar transtornos na fala e na escrita.

Cada profissional tem sua especialidade, e no que se refere a fala o fonoaudiólogo é esse profissional. Caso o problema diagnosticado pelo Fono apresente algumas alterações fora da sua especialidade, possivelmente o mesmo fará o próximo encaminhamento que será para o Neuropediatra.

Mas, o que fazer com esse Paciente/aprendente? Devolver para os pais? 

Nesse tipo de caso o mais indicado é fazer um Relatório informando ao Fonoaudiólogo a queixa apresentada pelo responsável, os procedimentos realizados durante as sessões detalhadamente e informar os resultados obtidos. Também deixar registrado as suspeitas, tudo feito minuciosamente, afinal é um documento de grande importância.

Em relação ao responsável pela criança, explicar que a continuidade do Acompanhamento Pp, dependerá do Diagnóstico feito pelo profissional a qual o “paciente/aprendente” foi encaminhado. Quando o pai obtiver os resultados ele deverá entregar para o Pp para que o mesmo avalie a situação e determine se é viável a continuação do Atendimento ou não.

Lembre-se que cada caso é um caso. E cada um deles deve ser analisado com muita calma e atenção, se tiver dúvidas busque orientação. O caso apresentado acima é meramente fictício.

SUPERVISÃO PSICOPEDAGÓGICA E(OU) NEUROPSICOPEDAGÓGICA, UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA VOCÊ.

Sabemos que nenhuma formação acadêmica prepara 100% o profissional para uma atuação prática. Dessa forma, indicamos para aqueles que estão ingressando no mundo dos atendimentos Pp e NPp, ou que concluiu a muito tempo e nunca atual na área, a Supervisão e (ou) Consultoria. Esses tipos de serviços são indicados para aqueles que não se sentem preparados o suficiente para iniciar ou prosseguir com seus atendimentos.

Todos os profissionais acima apresentados são referência no que fazem, muitos deles já possuem mais de 16 anos de atuação. Possuem vasto domínio no que fazem, são profissionais que servem de inspiração para aqueles que pretendem seguir a carreira. Os mesmos tem constantemente uma agenda cheia de pacientes/aprendentes para atender e fazem toda a diferença no processo de ensino/aprendizagem.

Para dinamizar e organizar os atendimentos utilizam PsiquEasy, para facilitar e dinamizar suas sessões. Sabem a importância de manter os dados de seus pacientes seguros e sempre a mão. Seja você também um cliente PsiquEasy e conheça todas as vantagens de informatizar seu espaço e (ou) clínica.

Se o que você necessita é de acompanhamento e supervisão para seus primeiros atendimentos/sessões veja o que eles oferecem:

  • Supervisão na prática;
  • Apoio na estruturação do consultório e modelo de atendimento/sessões;
  • Orientações de como proceder nas sessões;
  • Auxílio prático na organização e seleção de materiais, testes e documentos;
  • Possibilidade de acompanhamento de atendimentos psicopedagógicos e Neuropsicopedagógicos;
  • Supervisão 100% On-line;
  • Auxilio na correção dos Testes e muito mais.
Se você precisa de um norte, entre em contato com uma de nossas indicações e veja como fazer sucesso na área. Conheça as excelentes indicações que selecionamos com muito carinho para você, basta acessar o link: Supervisão Psicopedagógica e Neuropsicopedagógica

antes e depois do PsiquEasy

Leia ainda: Ficha de Avaliação Educacional do Aluno

Veja também: Crianças Felizes possuem Almas Saudáveis

5 thoughts on “Quando o Psicopedagogo deve Encaminhar seus aprendentes/pacientes?

    • 27 de novembro de 2019 em 11:36
      Permalink

      Olá Luciene, você deverá fazer o encaminhamento e elaborar o relatório descrevendo os procedimentos realizados detalhadamente para que o fonoaudiólogo possa compreender a situação do paciente em questão. Qualquer dúvida estamos a disposição. Abraços

      Resposta
  • 14 de novembro de 2020 em 07:38
    Permalink

    Olá estou gostando muito de conhecer esse material voltado para o trabalho do psicopedagogo institucional especialmente (escolar) é um material pouco explorado na dinâmica de formação seja de professores quanto de psicopedagogos. Muito bom!

    Resposta
  • 21 de maio de 2021 em 03:31
    Permalink

    Boa noite,
    Estou recém pós graduada em Psicopedagogia, e algumas duvidas são bem frequentes.
    Trabalho em uma escola como Supervisora Pedagógica, e tenho observado que a psicopedagoga Institucional tem encaminhado os alunos que fazem a entrevista para ter acesso a matricula na escola, uma espécie de anamnese, logo na primeira conversa encaminha para um profissional especializado. Isto tem me deixado bastante inquieta.
    Pode um psicopedagogo Institucional realizar encaminhamento, sem nem mesmo fazer testes com a criança, usar como base só a queixa do pai ou do professor?

    Resposta
    • 1 de junho de 2021 em 16:49
      Permalink

      Olá Ideuzilene, tudo bem?

      Então Ideuzilene, normalmente o psicopedagogo institucional antes de realizar quaisquer encaminhamento deve fazer alguns procedimentos para descartar diversas possibilidade e ter o que chamamos de um pré-diagnóstico. Somente após esses procedimentos o mesmo deve realizar o encaminhamento para uma certa especialização.
      Caso tenha outras dúvidas fique a vontade para me mandar pelo e-mail: psico@psiqueasy.com.br
      Abraços carinhosos. Pp. Daliane Oliveira

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chamar no Whatsapp