fbpx

Dificuldades de Aprendizagem na Retomada das Aulas Presenciais

A volta às aulas presenciais, revelou que muitos alunos tem demonstrado diversas dificuldades de aprendizagem. Esse tempo “fora da escola” para uns e outros no “ensino a distância” mostra um “desconforto” no processo de aprendizagem.

Percebe-se que houve um grande prejuízo em todas as idades no desenvolvimento de várias habilidades fundamentais para a aprendizagem. Pesquisas revelam que aulas remotas afastaram os estudantes da aprendizagem por diversos motivos. Por isso, para a Drª. Sara Zarucki, o ideal é construir um novo processo de aprendizagem que envolva a autoestima e mostre que é possível, sim, continuar na escola mesmo tendo em vista esse período de ruptura

É possível vencer as dificuldades que essa ruptura causou a milhões de alunos em todo Brasil. O diagnóstico é um passo indispensável nesse momento.

Notar essas dificuldades nem sempre é tão fácil. No entanto, existem vários sinais que os alunos podem apresentar indicando que precisam de ajuda. Veja alguns desses sinais:

Crianças em idade pré-escolar podem apresentar:

  • Problemas e demora com a fala;
  • Problema para aprender cores, formas, letras e números;
  • Não conseguir rimar palavras;
  • Possuir problemas com coordenação motora;
  • Não conseguir se manter focado, com atenção por muito tempo.

Crianças já na idade escolar podem ter dificuldades em:

  • Seguir instruções;
  • Ser organizado em casa;
  • Entender e assimilar orientações verbais;
  • Aprender ensinamentos e lembrar das informações;
  • Ler, soletrar e falar palavras;
  • Escrever claramente (ou talvez com uma letra não tão compreensível);
  • Fazer cálculos matemáticos;
  • Terminar as lições de casa. 

Adolescentes e Adultos podem apresentar:

  • Falta de foco;
  • Demora para realizar tarefas;
  • Ansiedade;
  • Dificuldade para realizar atividades sozinho/a;
  • Dificuldade de entender as atividades propostas;
  • Desinteresse pela escola no que se relaciona a atividades de aprendizagem;
  • Esquivamento da hora de fazer lições;
  • Desejo de não ir para a escola;
  • Falta de comunicação sobre o que acontece na escola;
  • Dificuldade para socializar com colegas;
  • Falta de uma (ou mais) disciplina favorita;
  • Irresponsabilidade;
  • Agressividade;
  • Introspecção em sala de aula e durante intervalos;
  • Dislexia. A principal característica da dislexia aparece no ato de ler e escrever, o que interfere às vezes do aluno ser fluente;
  • Discalculia;
  • Disgrafia;
  • TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade);
  • Dislalia;
  • Disortografia;
  • Foco nas qualidades.

Mas, como lidar com esse momento tão delicado?

O primeiro passo é a escola entender que o aluno que possui alguma dessas dificuldades de aprendizagem não é incapaz de aprender. E os psicopedagogos são peças fundamentais no processo de identificação dos mesmos. O aluno com dificuldade de aprendizagem precisa do apoio e ajuda das instituições de ensino para incentivar a integração entre os outros alunos. Uma vez que ele pode acabar se sentindo excluído ou com vergonha dos seus colegas de sala. 

É de responsabilidade da escola adaptar as metodologias de acordo com a necessidade do aluno. Por isso, é importante buscar atividades dinâmicas e trazer inovação para dentro da sala de aula para atrair a atenção dos alunos com algum tipo de dificuldade.  A própria instituição deve desmistificar aquela ideia de que a dificuldade de aprendizagem torna o aluno “burro” ou preguiçoso. Pois por incrível que pareça, ainda é bem comum instituições não prestarem o apoio necessário, instigando cada vez mais o preconceito.

Família é a base para vencer as dificuldades de aprendizagem.

família por sua vez deve servir de base e ser participativa na vida escolar com seus filhos com dificuldades de aprendizagem. A participação da família na educação deve ser constante e consciente. A qualidade da relação entre a escola e a família será decisivo para um andamento proveitoso do processo de ensino aprendizagem do aluno, porque durante o seu viver em ambos os contextos ele vai se moldando como pessoa.

Acompanhamento Psicopedagógico & Dificuldades de Aprendizagem

O papel do psicopedagogo, além de apresentar técnicas que de fato vão ajudar o aluno a vencer suas dificuldades, também trabalha para identificar as necessidades psicoafetivas do aluno, focando na sua evolução. Muitas vezes, a família integra esse trabalho em parceria com o psicopedagogo.


Fonte da Pesquisa

*Sara Zarucki é doutora e mestra em Ciências Sociais, especialista em Sociologia Urbana, Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais. Além disso, é pesquisadora no Laboratório de Pesquisas e Estudos em Educação Superior (Lepes) e no Ciências Sociais e Educação (ICS). Publicou diversos artigos e capítulos de livros sobre a relação entre a sociologia da educação e o ensino de sociologia. Além da pesquisa sobre a formação de professores de ciências sociais e o mercado de trabalho do cientista social. E-mail para contato: sara.zarucki@gmail.com.

https://amigoedu.com.br/blogdoamigo/dificuldade-aprendizagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Chamar no Whatsapp