Jogo no Processo de Ensino e Aprendizagem

O ato de jogar é tão antigo quanto o próprio homem, na verdade o jogo faz parte da essência de ser dos mamíferos.

O jogo é necessário ao nosso processo de desenvolvimento, tem uma função vital para o sujeito, principalmente como forma de assimilação do “real”.

Na concepção de muitos neo-piagetianos, os jogos consistem numa simples assimilação cujo exercício das ações conduz à aprendizagem, gerando, ainda, um sentimento de prazer pela ação lúdica.

Têm influência também pelo domínio sobre as ações.

Portanto, os jogos têm dupla função: consolidar os esquemas já formados e dar prazer ou equilíbrio emocional à criança.

Segundo Vigotsky (1984) o lúdico influência enormemente o desenvolvimento da criança. É por meio do jogo que a criança aprende a agir; sua curiosidade é estimulada, adquire iniciativa e autoconfiança, proporciona o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da concentração. Entretanto, o jogo não é um simples brinquedo, aliado ao conhecimento formal, propicia uma vinculação com o conteúdo escolar.

O uso da informática na educação por meio de softwares educativos é uma das formas de exploração do desejo de aprender, porque se descobre, no computador, que é muito capaz. No entanto, deve ser somado às vantagens que os jogos trazem consigo: entusiasmo, concentração, motivação, entre outros.

Os jogos mantêm uma estreita relação com construção do conhecimento e possui influência como emergente do desejo pelo novo e desconhecido e elemento motivador no processo de ensino e aprendizagem.

jogos psiqueasy

Alguns elementos que caracterizam os diversos tipos de jogos existem e coexistem nos jogos, tais como:
  • tolerar a dor e a frustração pelo erro e buscar acertar;
  • capacidade de absorver o participante de maneira intensa e total (clima entusiasta, cujos sentimentos de exaltação e tensão seguidos por um estado de alegria e distensão);
  • atmosfera de espontaneidade e criatividade, aliados a um extremo prazer;
  • estabelecimento de regras na limitação de tempo – o jogo tem um estado inicial, um meio e um fim;
  • ele tem um caráter dinâmico e oferece a possibilidade de repetição;
  • limitação do espaço – o espaço reservado seja qual for a forma que assuma é como um mundo temporário e fantástico;
  • existência de regras – cada jogo se processa de acordo com certas regras que determinam o que “vale” ou não dentro do mundo imaginário do jogo, o que auxilia no processo de integração social das crianças;
  • estimulação da imaginação, autoafirmação e

Tem-se convicção de que o jogo muito contribuirá em seu trabalho, quer seja clínico ou institucional, aliado ao seu poder criativo e à sua consciência do seu papel como mediador do “conhecimento”.

Fonte de Pesquisa: : www.ucamprominas.com.br

Veja ainda:Bingo dos Animais é uma maneira divertida de Ensinar e Aprender

Leia também:Profissionais tem confundido Sintomas de SPA com os de TDAH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Chamar no WhatsApp